ANVISA emite informe oficial a respeito da associação entre bifosfonatos e osteonecrose mandibular

No último dia 10 de outubro, a ANVISA emitiu oficialmente um posicionamento reconhecendo a relação entre o uso de bifosfonatos e osteonecroses mandibulares.


Confira alguns trechos:

“Os bisfosfonatos são análogos sintéticos de um regulador endógeno da mineralização óssea. Eles diminuem potencialmente a reabsorção. Essa classe de medicamentos é utilizada para o tratamento e prevenção de distúrbios ósseos, incluindo hipercalcemia, bem como para a prevenção de problemas ósseos em doentes com cancro, tratamento de osteoporose e doença de Paget. Representam a primeira escolha para a prevenção secundária e tratamento da osteoporose. (…) Estudos recentes associam possíveis fatores de risco para fraturas femorais atípicas à utilização por longo prazo dos bisfosfonatos, bem como a possibilidade de ocorrência de osteonecrose mandibular relacionada ao uso dos mesmos. Em março desse ano, essa reação adversa foi citada no Boletim Brasileiro de avaliação de Tecnologias de Saúde (BRATS, nº21, ano VII).”
bifosfonatosNo entanto não há motivo de pânico por parte de quem toma este tipo de medicamento, a ANVISA recomenda aos pacientes que comuniquem imediatamente ao seu médico qualquer sintoma ou reação adversa durante o tratamento tais como dores nos maxilares, dores articulares, feridas e úlceras bucais que não cicatrizam.

Aos profissionais de saúde, a ANVISA recomenda acompanhar cuidadosamente os pacientes em tratamento com bifosfonatos e, caso identifiquem alguma lesão compatível, notifiquem a Vigilância Sanitária pelo link:http://www.anvisa.gov.br/hotsite/notivisa/index.htm



Osteonecrose

Para quem trabalha com DTM, é importante saber alguns casos de osteonecrose associada a bifosfonatos tem sido reportado em região de ATM. Isso implica em saber diferenciar, embora nem sempre seja uma tarefa fácil, uma necrose óssea medular de origem em um bifosfonato de uma provocada por infecções, doenças auto-imunes e outras condições patológicas.

Fonte: Marcelo Matos

Vejam o informe da ANVISA na íntegra acessando o link: www.anvisa.gov.br e localizar o Informe SNVS/Anvisa/Nuvig/GFARM nº 07 , de 09 de outubro de 2013

Deixe seu comentário


Notícias

ABO

No Facebook

ABO

No YouTube

ABO

No Instagram